A longa vida de D. Jorge de Almeida (1483-1543) permitiu-lhe dotar a Sé de Coimbra de peças que ilustram as várias correntes artísticas que marcaram o séc. XVI. A caldeirinha maneirista emprega uma linguagem ‘renascentista’ mas transgride-a, consagrando-se na procura de efeitos insólitos e ambíguos. Adota elementos decorativos como o grotesco, as laçarias, os losangos inscritos em retângulos, as cartelas flamengas de pontas enroladas, os querubins, os ovados, as aletas contracurvadas ou ainda os festões.