A adoção do formulário romano é notória na monumental banqueta da Sé de Coimbra, da primeira metade de Setecentos. A banqueta era constituída por seis bustos, seis tocheiros e um crucifixo. Embora se desconheça o autor do projeto, parece credível que João Frederico Ludovice o possa ter desenhado ou, pelo menos, tenha concebido os bustos. As restantes peças apresentam as marcas do ourives lisboeta António Nunes das Neves.
Do conjunto, o Museu possui dois bustos, o de Santo António e o de Santa Catarina. Nestas peças, a sensibilidade barroca manifesta-se no jogo contrastante do tratamento das superfícies: lisas, polidas e luminosas nas carnações e atributos; mates, finamente texturadas, nas vestes; reverberantes, densamente esculpidas, nas bases.