Santa Inês, trajada à época, com tratamento individualizado do rosto, dir-se-ia o retrato de uma jovem das famílias burguesas da cidade, grupo social que formava parte da clientela de João de Ruão.

Respeitando os cânones iconográficos de Santa Inês de Roma, esta peça constitui uma das mais belas obras deste escultor, com características que a ligam às grandes obras dos imaginários florentinos do séc. XV.