Testemunho de um período áureo da escultura nacional, as imagens de S. Francisco e Santa Clara, cujo autor se desconhece, de grande qualidade escultórica evidenciam encomenda a uma oficina afamada – possivelmente de Lisboa. Este par de imagens integra-se nas experiências de fervor religioso, decorrentes da contrarreforma e características da iconografia devocional barroca.