A realização de imagens de grande porte, em barro, está bem documentada a partir de meados do séc. xvii, em Alcobaça e Tibães.  Em finais do séc. XVIII, existem reminiscências dessa arte em calvários e estações da Via Sacra, executados por diversos centros barristas.

 As origens do saber dos cistercienses de Alcobaça, neste domínio, são desconhecidas, mas provavelmente encontram-se em França ou na Itália onde conjuntos monumentais de terracota estiveram em voga desde finais do séc. xv. A Última Ceia, criada por Hodart, entre 1530 e 1534, para o refeitório do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, é um excelente exemplo de estatuária renascentista, único em Portugal