A rúbrica #versoREverso da obra de arte apresentada em cada domingo, constitui-se como um encontro entre a obra de arte e a palavra poética, lançando um outro olhar sobre algumas obras de referência deste Museu. Hoje, elegemos o Anjo Heráldico, do século XVI (MNMC4102), de Diogo Pires-o-Moço, que inspirou a poesia de Isabel Pires, declamada por Luís Moura Ramos.

'O Anjo de Portugal'

Que esperança nos trazes desse mundo,

ó caminhante?

Este país sem portas nem janelas

quer justiça.

Este país de breu e de malícia

anda à procura.

Não lhe apetecem brasões

nem esferas armilares.

É isso que nos trazes? Solene,

a pedra onde escreveram: fica.

A paz acalcanhada de um reinado, o Céu.

És tu o guardião?

Vejo o marfim irado de uma igreja,

riquezas pueris de jóias e alfaias

e panos recamados.

É isso o que nos dás?

Vejo linhas retas nos teus olhos, e quase

ausência.

Que esperança nos trazes desse mundo

que ficou para trás?

Isabel Pires

Boa visita!

Clique aqui: